Autor Tópico: Sobre o Alfabeto Hebraico  (Lida 1315 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Obreiro
******
Mensagens: 492
Sexo: Masculino
C.E.M
Offline Offline
    Ver Perfil Centro De Evangelização
Sobre o Alfabeto Hebraico
« em: 21 de Janeiro de 2013, 10:06 »
A Língua Hebraica é fascinante! Não só por suas origens milenares, raízes bíblicas, formas e estruturas, mas, principalmente, por ser dinâmica e atual. Sim, pois o mesmo hebraico que o profeta Jeremias usou para advertir o povo contra o cativeiro babilônico, seria hoje perfeitamente entendido se ele voltasse as ruas de Jerusalém ou Tel Aviv para proferir sua mensagem. A língua Hebraica não morreu! E nós podemos estudá-la hoje como uma língua viva, que além de ser o idioma oficial de mais de 6 milhões de pessoas que vivem em Israel, é uma língua que nos traz a mensagem maravilhosa do amor e do poder de Deus

 A primeira pergunta importante a ser feita é: O que faz uma língua ser considerada alfabética?

 Sabemos por exemplo que a escrita Egípcia não é considerada alfabética, pois os hieróglifos não formam um conjunto de símbolos aos quais sempre seja associado o mesmo som. As vezes temos um símbolo que representa uma idéia, como acontece também na língua chinesa onde a comunicação escrita é feita por ideogramas.

 A língua Hebraica é alfabética porque relacionamos à um conjunto de símbolos o mesmo som. Este foi um invento muito útil na divulgação da mensagem escrita. Deus já estava preparando a humanidade para receber o livro, a Bíblia sagrada, que iria transformar conceitos na comunicação entre os povos para sempre. É importante saber que a língua Hebraica, sendo uma língua de origem semítica, possui as mesmas características que outras línguas do mesmo grupo que apresentam:

 - Escrita da direita para a esquerda, e somente as consoantes

 - Letras guturais e "laringeais" com sons especiais

 - Sistemas de radicais com três letras, para grande parte dos verbos e dos nomes.

 - Conjunções e preposições ligadas aos substantivo, formando uma só palavra.

 Dentro do grupo das línguas semíticas (este nome de Sem, filho de Noé), temos também o Ugarítico, o Cananita-fenício e o Aramaico, isto pelo lado ocidental. No lado oriental vieram o Acádico, o Assírio e Babilônico ou Caldeu. Acredita-se que foi pelos Fenícios dada a sua situação geográfica, como um dos principais portos, bastante ativos no comércio, que a estrutura alfabética se expandiu e alcançou maior popularidade.